30/12/2008

Somos Todos Filhos da Dor

Somos todos filhos da dor
Crescemos brincado no parque da agonia
E amadurecemos na desistencia de nossos sonhos

Somos todos filhos da dor
Vivemos em cenario de ruina e trevas
E com os lábios costurados, rimos falsamente

Somos todos filho da dor
Confinados em pesadelos reais
O verdadeiro desejo de viver não me satisfaz

Desejo abraçar a mãe morte
Mas ainda continuarei caindo no abismo da vida
Protegido pelos braços da dor forte

Somos todos filhos da dor

29/08/2008

Vida Cedida

O mórbido desejo de não desejar
A doce vontade em fazer tudo acabar
A história escrita será apagada
Com minha vida sendo friamente tirada

As palavras que por mim foram escritas
Frutos de minhas alegrias destruídas
O mórbido desejo de não desejar
A doce vontade em fazer tudo acabar

As dores que no trajeto nasceram no peito
Escrevo as palavras a serem ditas em meu leito
A vida que a mim foi dada por mim é cedida
Muita dor eu sinto ao escrever minha despedida

Bebi do mar de minha dor
Minha vida cedida com amor
Desta lamina um ultimo corte
Que trará ao mundo a minha estimada morte

06/07/2008

Tão Bela é a Morte

São os olhos da morte
os tão belos olhos que vejo
os olhos de alguém que me apaixonei
os olhos que eu tanto almejo

Tão fria és tua mão
ao tocar em minha face
tão fria és tua mão
que ao tocar-me sinto o frio da morte

Quão bela és tua face
com tão linda palidez
tua tão bela face
que tanto sofrimento traz-me

és belo seu sorriso
mas tão frio quanto o inverno
axava que era o paraiso
mas na verdade é o inferno

não estar contigo faz-me sofrer
minha saudade é muito forte
amo tanto você
amo tanto a morte

24/05/2008

Pétalas

Chorando pétalas
das rosas do meu amor
pétalas que cobrem
o buque da minha incessável dor

Rosas deitadas
sobre o corpo de quem lhe ama
Um véu palido cobre
o rosto que a morte chama

Com tanto carinho
tento tocar em você ó doce rosa
Que machuca-me com seu espinho

Em doce amor, o tormento
De não poder ter a mais linda rosa
No buque de meu sentimento

06/05/2008

Anjo

Minhas asas definhando
Jogado em abismo de dor
Deitado no escuro do meu mundo
Um anjo caído pelo amor

Lágrimas de sangue dos meu olhos cegos
transbordam o mar dos meus sentimentos
A dor cravada no peito
Somente minha alma chorando em meu leito

A doçura de sua voz
Como canto lirico em minha mente
Tanta dor e sofrimento
Que meu coraçao ainda sente

Palavras do Silencio

Cremando palavras
Gritando silencio
Alimentando com rosas
As rochas do descanço

Sombrio sentimento
Esvaescendo o sossego
A solidão em meu peito
Apagou as chamas de desejo

Anjos sobre a carne
Rosas sobre as rochas
O inferno da vida
Cravado no sessar das palavras

Murmurio

Gritos de sofrimento
Música para sua alma
A dor em meu espirito
Por alguém que nao o ama

Desespero no meu corpo
Chamas em meu espirito
Minha alma se afoga
Em solitude do meu sentimento

O ódio no vazio
O amor no meu abismo
E a vida cedida em sangue frio

Murmurios levados pelas brisas
Congelantes brisas que corroem
A alma cujo o sentimentos doem

27/04/2008

A Luz Do Meu Sofrimento - Escrito por Aline Alterado Por Andrius

Versão Original (Aline)

Na minha vida avia uma luz no fim do tunel e era vc e quando eu finalmente consegui chegar perto dessa luz ela se apagou,me deixando voltar para o mundo das trevas,isso significa que a pessoa que tanto amei me deixou para tráz não se importando com meus sentimentos por isso te digo :Antes de chorar por alguém,olhe para trás e veja se nau deixou ninguém chorando por vc. Te amo e é só isso que posso dizer.Vou tentar te esquecer !


Versão Alterada (Andrius)

Caído no abismo do meu silencio
Desejando o fim da verdade
Meu corpo cansado
Estou despedindo-me de minha vida

Em toda a ceguera de meus olhos
Ainda vejo a ultima luz de minha vida
A luz que ainda traz a esperança de ainda viver
Se despede de mim recusando tirar-me desse abismo

Tanta frieza no coraçao
Traz-me a vontade de acabar com minha dor
Antes de chorar por alguem
Olhe para tras e veja que deixaste a pessoa que mais lhe ama
Morrer por te amar

Você foi meu motivo em vida
Agora é a minha saudade na morte
Meu espirito vagará só
Na esperença de esqecer sua bela face

19/03/2008

Adeus

Memorias frias consumindo minha alma
Silencio eterno consumindo meu espirito
A dor de desejar a docura de seu beijo
Sentir em mim toda a sua vida
Me acalmar com o calor de seu abraço
Olhar na doce frieza dos seus olhose poder dizer eu te amo
Mas a fria eternidade minha alma teme
Levar meu sofrimento até além da morte
Toda dor que as poucos me consome
E ainda sua alma e corpo ainda desejo
Você traz-me a esperança
E ao mesmo tempo tanto sofrimento
Minhas velhas maos nao lhe alcaçam mais
Os meu olhos nao a engergam mais
Quero dizer-lhe o ultimo adeus
Minhas forças lentamente cessam
O meu coprpo ganha eterna palidez
E soh consigo tentar dizer o seu nome

02/03/2008

Em Frente Aos Portoes

caminhando sozinho no meio de um nada
guiado por uma fraca luz q ainda ha na minha escuridao
caminho ainda mais para alcança-la
obstaculos me segam cada vez mais
grito em desespero para o vazio da minha alma
caminho ainda mais para perto da luz
obstaculos continuam me detendo
ao aprocimar-me da luz a vejo claramente
um simples feixo de luz saindo de uma fexadura
incerto penso em tentar abrir a porta para que a luz acabe com minha ceguera
em duvida procuro uma resposta
qero voltar e tentar mais uma vez buscar a vida q perdi
continuar com minha ceguera proximo a você
mas lembro q você jogou-me nessa escuridao com apenas uma chave
e os portoes da morte a minha frente com um simples feixo de luz
seduz-me cada vez mais para abandonar a escuridao que encontrei seguindo meu coraçao
sussurra em uma doce voz para q atravese os portes e deixe desse sofrimento
minha alma esta paralisada
a doce voz que ouço eh a sua
e sinto o calor que ainda havia em meu corpo acabar-se
você condenou-me a escuridao
e entregou-me a chave da morte
e agora com essa chave abro os portoes de meu doce descanço

desistindo de meu corpo, caido no doce amargo de minha vida.. minha alma se afasta, o mundo se acaba mas minha dor por voce nunk cessa...

Trancado em lugar nenhum....
Vivendo no silencio....
Silenciado por minha solidao....
Procurando a vida na escuridao...
Minha alma torna-se cinzas....
Minhas cinzas cessam....
Com a suave briza de gritos desesperados que se propaga na solidao...
Meu corpo se instingue...
Minha saida torna-se a morte....
E a morte triunfa sobre td minha tristeza que foi em vao.....


vida....
a amargura do doce sabor da morte....
os sangue do meu corpo....
a tristeza sobre a alegria.....
a dor sobre a felicidade...
a infelicidade de uma alma que vaga só, em um mundo vazio d sonhos q nao se realizam....
o trinfo de um vazio sobre td o nosso ser....
uma dor que vai muito mais alem do nosso corpo....
e q leva o sofrimento até alem da morte....